Marcelo I, papa ( ? - 309)

Nascido em Roma, eleito quatro anos após a morte de Marcelino I (296-304) devido às terríveis condições em que viviam os cristãos perseguidos impiedosamente pelo Imperador Diocleciano. Naqueles tempos o imperador tornou obrigatório o culto a Júpiter, com quem se identificava, e ordenou uma violenta perseguição aos cristãos (303), que se estenderia por mais de dez anos, na Itália, África e no Oriente. No seu breve mandato, o pontífice dedicou-se à recomposição da comunidade de Roma e ocupou-se da difícil tarefa de obter o perdão para os cristãos que tinham renegado a fé, durante a perseguição. Tomou duas decisões importantes, sendo que na primeira proibiu a realização de concílios sem a expressa autorização do papa. Na segunda, embora mantivesse uma atitude severa para com os lapsi, cristãos que tinham renegado a fé, durante a perseguição do imperador, estabelecia condições a respeitar nos casos em que se concedesse o perdão a essas pessoas. Essa difícil decisão de conceder o perdão para os lapsos, gerou intensos tumultos que apressaram a intervenção do imperador Massêncio, retirando todos os seus poderes. Preso e acusado de tentar reorganizar a Igreja no exílio, foi condenado a servir nos estábulos imperiais com o objetivo de humilhar-lhe. Libertado pelos cristãos, refugiou-se na casa da matrona Lucina que transformara sua casa e uma igreja. Descoberto, foi novamente condenado, preso precisamente na igreja que recebera de Lucila e que foi transformado em um novo estábulo, onde morreu vítima de privações e humilhações. O trigésimo papa da da Igreja de Roma, morreu martirizado na cidade eterna. Sepultado no Cemitério de Priscila e foi sucedido por Eusébio (309-310).

http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/PPMarce1.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário