Donatismo

O Donatismo (cujo nome advém de Donato de Casa Nigra, bispo da Numídia e posteriormente de Cartago) foi uma seita religiosa cristã, considerada herética e cismática pelo catolicismo. Surgiu nas províncias do Norte de África na Antiguidade Tardia. Iniciou-se no início do século IV e foi extinta no final do século VII.1 Os autores que mais influenciaram os donatistas, em termos de doutrina religiosa, foram São Cipriano, Montano e Tertuliano.

Assim como o Novacionismo, fundado pelo Antipapa Novaciano no século III, os donatistas eram rigorosos, e sustentavam que a Igreja não devia perdoar e admitir pecadores, e que os sacramentos, como o batismo, administrados pelos traditores (cristãos que negaram sua fé durante a perseguição de Diocleciano em 303-305 e posteriormente foram perdoados e readmitidos na Igreja) eram inválidos .Este pensamento era bastante similar ao de Cipriano de Cartago, martirizado meio século antes em perseguições anteriores.

Em oposição, a crença da Igreja na época era de que os traditores poderiam voltar ao corpo da Igreja e ministrar os sacramentos, desde que o fizessem seguindo o ritual correto, sem a necessidade de re-batismo ou da re-ordenação.
Após o Sínodo de Arles, no qual a apelação de Donato falhou, ele foi exilado para Gália em 347 dC até sua morte, em 355 dC. Nesta época, o donatismo era a igreja dominante no Norte da África. Porém, já nesta época a seita sofria com divisões internas e estava sob constante ataque de Roma, que tinha como objetivo reincorporar os clérigos da região e reunificar a Igreja .

Os Circoncélios eram bandos de rebeldes nômades anti-romanos, bandidos de fala púnica recrutados nos mais baixos estratos da sociedade. Eles apoiavam o donatismo e eram, por vezes, liderados por clérigos donatistas. Porém, fora de controle, eles passaram a atacar proprietários de terra e colonos romanos, redistribuindo bens muitas vezes obtidos com o trabalho honesto de camponeses locais. Assim, o donatismo passou a ser identificado com eles, levando os administradores oficiais a tomarem ações punitivas contra a igreja donatista . Apesar da condenação imperial, o Donatismo permaneceu como religião dominante na África romana até ao começo do século V, quando enfraqueceu devido a atos de coerção.

O bispo de Hipona, Santo Agostinho, fez campanhas contra esta crença e foi principalmente graças aos seus esforços que a seita foi extinta. A controvérsia tem início em dois escândalos monásticos. Por volta de 422, Santo Agostinho se envolveu numa espécie de escândalo com um bispo chamado Antonino e posteriormente com Januário. A discussão parece ter sido causada porque Agostinho achava que a chamada "caridade monástica" pudesse semear a discórdia, dividir e fazer com que se aproveitasse da Igreja. Ele chegou a fazer campanhas contra o Donatismo. Com a ocupação vândala do norte de África, o donatismo voltou a ter, aí, alguma preponderância, o que continuou a acontecer depois da reconquista bizantina destes territórios por Justiniano. Desconhece-se quanto tempo persistiu depois da conquista muçulmana.

Wikipédia

Nenhum comentário:

Postar um comentário