A CRISMA NA IGREJA PRIMITIVA

Estritamente falando, Tertuliano não é considerado um pai da Igreja, mas um apologista e escritor eclesiástico, já que no final de sua vida cai em heresia abraçando o montanismo. Porém foi lido antes de seu abandono da Igreja Católica. Tanto em seu período ortodoxo quanto em seu período herético temos em Tertuliano um testemunho que nos informa sobre a prática primitiva da Crisma na Igreja.

“Depois disso, quando emitimos a partir da fonte, nós somos completamente ungidos com uma unção abençoada, (uma prática derivada) da antiga disciplina, onde ao entrar no sacerdócio, então estavam acostumados a serem ungidos com óleo de um chifre, desde que Aarão foi ungido por Moisés [Êxodo 30, 22-30]. Donde Aarão é chamado de ‘Cristo’, do ‘crisma’, que é ‘a unção;’. que, quando feito espiritualmente, forneceu um nome apropriado para o Senhor, porque Ele era ‘ungido’ pelo Espírito de Deus, o Pai, como está escrito em Atos: ‘pois, na verdade eles estavam reunidos nesta cidade contra o teu Santo Filho a quem Tu ungiu” [Atos 4, 27]. Assim, também, no nosso caso, a unção vai carnalmente (isto é, no corpo), mas os ganhos espiritualmente, da mesma forma que o próprio ato de batismo também é carnal, no qual somos mergulhados na água, mas o efeito é  espiritual, em que somos libertos do pecado.” (Tertuliano, Sobre o Batismo,7-8).



Santo Hipólito de Roma



O lugar e a data do seu nascimento são desconhecidos, embora saiba-se que foi discípulo de Santo Ireneu de Lião. Seu grande conhecimento da filosofia e dos mistérios gregos, e sua própria psicologia, indicam que procedia do Oriente. Até o ano 212 era presbítero em Roma, onde Orígenes - durante sua viagem à capital do Império - o ouviu pronunciar um sermão.



“O bispo, impondo a mão sobre eles, deve fazer uma invocação, dizendo: ‘Ó Senhor Deus, que os fez dignos do perdão dos pecados através da lavagem do Espírito Santo até o renascimento, enviai a eles a tua graça, para que possam servi-lo de acordo à sua vontade, pois há glória a ti, para o Pai, e do Filho com o Espírito Santo, na Santa Igreja, agora e pelos séculos dos séculos. Amen.’ Então, vertendo o óleo consagrado em sua mão e impondo-a  sobre a cabeça do batizado, ele dirá, 'Eu te unjo com óleo santo no Senhor, o Pai Todo-Poderoso, e Jesus Cristo e o Espírito Santo. Marcai-os na testa, ele deve beijá-los e dizer: ‘O Senhor esteja convosco.’ Aquele que foi marcado dirá: ‘E com teu espírito’. Assim, ele deve fazer para cada um.” (Tradição Apostólica 21-22).

"'E ela disse a suas empregadas, Traga-me óleo’. Pois a fé e o amor preparam o óleo e ungüentos para aqueles que são lavados. Mas o que eram esses ungüentos, senão os mandamentos da santa Palavra? E que foi o óleo, senão o poder do Espírito Santo, com o qual os crentes são ungidos como com pomada após a camada de lavagem? Todas essas coisas foram figurativamente representadas na bendita Susanna, por nossa causa, para que nós, que agora acreditamos em Deus não podussemos considerar as coisas que são feitas agora na Igreja como estranhas, mas acreditando que todas elas foram estabelecidas nas figuras dos patriarcas de outrora, como o apóstolo também diz: ‘Ora, estas coisas lhes sobrevieram como exemplos e foram escritas para nossa instrução, sobre quem o fim dos mundo está chegando.’”(Hipólito de Roma, Commentário sobre Daniel, 6, 18)



São Cipriano de Cartago



São Cipriano nasceu em torno do ano 200, provavelmente em Cartago, de família rica e culta. Dedicou-se, em sua juventude, à retórica. O desgosto que sentia diante da imoralidade dos ambientes pagãos contrastados com a pureza de costumes dos cristãos o induziu a abraçar o Cristianismo por volta do ano 246. Pouco depois, em 248, foi eleito bispo de Cartago. Durante a perseguição de Décio, em 250, julgou melhor afastar-se para outro lugar, para continuar a se ocupar com seu rebanho de fiéis. Dele conservamos uma dezena de opúsculos sobre diversos temas de então e, particularmente, uma coleção de 81 cartas.

Em 253 d.C expõe a passagem de Atos 8, a qual já citamos acima, e conecta o episódio ao entendimento da Igreja do que é a confirmação:

“Alguns dizem que no que diz respeito àqueles que foram batizados em Samaria que, quando os apóstolos Pedro e João foram lá, apenas as mãos foram impostas sobre eles para que eles pudessem receber o Espírito Santo, e que eles não foram re-batizados. Mas vemos, queridos irmãos, que esta situação em nada diz respeito ao presente caso. Aqueles em Samaria que haviam crido tinha acreditado na verdadeira fé, e foi pelo diácono Filipe, a quem esses mesmos apóstolos tinham enviado para lá, que eles tinham sido batizados dentro da Igreja. . . . Desde então, eles já tinham recebido o batismo legítimo e eclesiástico, não era necessário batizá-los novamente. Ao contrário, somente o que estava faltando foi feito por Pedro e João. A oração foi  feita sobre eles e as mãos foram impostas sobre eles, o Espírito Santo foi chamado e foi derramado sobre eles. Esta é até agora a prática entre nós, de modo que aqueles que são batizados na Igreja, em seguida, são levados para os prelados da Igreja, através da nossa oração e da imposição das mãos, eles recebem o Espírito Santo e são aperfeiçoados com o selo do Senhor” (Epistola 73 [72], 9).



Orígenes de Alexandria

Ilustre teólogo e escritor eclesiástico. Nascido em Alexandria por volta do ano 231, foi reconhecido como o maior mestre da doutrina cristã em sua época, exercendo uma extraordinária influência como intérprete da Bíblia:

“E não se surpreenda que este santuário é reservado somente para os sacerdotes. Pois todos aqueles que foram ungidos com o óleo da crisma tornaram-se sacertdotes, como também Pedro diz a toda a Igreja: "Vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa”. (1 Pedro 2, 9). Portanto, vocês são um ‘povo sacerdotal’, e por conta disso você abordam as coisas sagradas.”(Homilia sobre o Levítico 9)



Santo Agostinho



Bispo de Hipona e doutor da Igreja, é reconhecido como um dos quatro doutores mais distintos da Igreja latina. Nasceu em 354 e chegou a ser bispo de Hipona durante 34 anos. Combateu duramente todas as heresias de sua época e morreu no ano 430.



“E você tem a unção do Santo, que pode ser manifesta a vós mesmos  (1 João 2:20). A unção espiritual é o próprio Espírito Santo, do qual o sacramento é a unção visível.” (Dez Homilias sobre a Epístola de São João para os partos, 3, 5)

“Batismo e a água tiveram. Você foi transpassado, por assim dizer, de modo que você pôde vir na forma de pão. Mas ainda não é pão, sem fogo. O que, portanto, o fogo representa? É a crisma. Pois o óleo de nosso fogo é o sacramento do Espírito Santo.” (Agostinho, Sermão 227, 1 (c. 420 dC))

“Por que, então, é o próprio chefe, de onde que a unção de unidade descende, isto é, a fragrância espiritual de amor fraternal, Por que, eu digo, é o próprio Chefe que se expõe a sua resistência, ao mesmo tempo que atesta e declara que “o arrependimento e a remissão dos pecados deve ser pregado em Seu nome entre todas as nações, começando por Jerusalém”? E por esta unção se deseja que o sacramento da crisma seja entendido, o que é realmente santo como entre as classes de sinais visíveis, como o próprio batismo...” (Agostinho, Cartas de Petilian o donatista, 2,104:239)





São Basílio Magno



Nasceu por volta do ano 329 em Cesaréia da Capadócia. Chegou a ser um dos Padres da Igreja grega que mais brilharam no século IV. Morreu em torno do ano 379.



“Das crenças e práticas se geralmente aceitas ou publicamente estimadas que são preservadas na Igreja, algumas que possuimos derivadas do ensino de escrito, outras que recebemos que nos foram entregues ‘em um mistério’ pela tradição dos Apóstolos; e ambas em relação a verdadeira religião tem a mesma força. E estes ninguém vai contradizer; ninguém, em todos os casos, que é até mesmo moderadamente versados nas instituições da Igreja. Pois estávamos tentando rejeitar tais costumes como não tendo autoridade escrita, sobre o fundamento de que a importância que eles possuem é pequena, nós devemos acidentalmente ferir o Evangelho nestas questões, especialmente, ou melhor, deve fazer a nossa definição pública de uma mera frase e nada mais... Qual dos santos nos deixou por escrito as palavras da invocação ao apresentar o pão da Eucaristia e o cálice de bênção? Pois nós não estamos, como é bem sabido, contentes com o que o apóstolo ou o Evangelho gravou, mas ambos em prefácio e a conclusão adicionamos outras palavras, como sendo de grande importância para a validade do ministério, e estas que derivam de ensino não escrito . Além disso, nós abençoamos a água do batismo e o óleo do crisma, e, além disso catecúmeno que está sendo batizado. Com que autoridade escrita que fazemos isso? Não é a nossa autoridade tradição silenciosa e mística? Não, por qual palavra escrita a unção do óleo é ensinada? E de onde vem o costume de batizar três vezes? E quanto aos outros costumes do batismo de qual Escritura podemos derivar a renúncia de Satanás e seus anjos? Isso não vem de um ensinamento inédito e secreto que nossos pais guardram em um silêncio fora do alcance da intromissão  de curiosos e da investigação inquisitiva?... Da mesma maneira, os apóstolos e pais que estabeleceram as leis Igreja do início, assim, guardaram a terrível dignidade dos mistérios em segredo e silêncio, para o que é divulgado no exterior de forma aleatória entre o povo comum, não é mistério.” (Sobre Espírito Santo, Capítulo 27)

São Basílio argumenta que algumas práticas nos vêm de tradições, e não de escritos específicos. Ele ilustra com detalhes do ritual de batismo.

“Nós também abençoamos a água do batismo, o óleo da unção, e até mesmo os próprios batizados. Por virtude de quais escritos? Não é em virtude da tradição protegida, secreta e escondida? De verdade! Mesmo o óleo da unção, o que a palavra escrita tem ensinado sobre isso? A tripla imersão, de onde ela vem? E tudo o que rodeia o batismo: a renúncia a Satanás e seus anjos de qual Escritura é que isso veio? [...] Não é daquele ensino mantido privado e secreto, que os nossos pais guardaram em silêncio, protegidos da ansiedade e curiosidade, sabendo muito bem que guardando tranquilos, salvam caráter sagrado dos mistérios? Pois, como seria razoável divulgar escrevendo a instrução, o que não é permitido para os não iniciados contemplarem?” (Basílio, o Grande, sobre o Espírito Santo, 15, 35 (c. 375 dC))





São Cirílo de Jesusalém



Nasceu em Jerusalém ou em suas proximidades, por volta do ano 313 ou 315; em 348 já era bispo. Morreu aproximadamente no ano 386.

“Mas cuidado ao supor que isso seja uma unção simples. Porque, assim como o Pão da Eucaristia, após a invocação do Espírito Santo não é mais simplesmente pão, mas o Corpo de Cristo, assim também esta unção santa não é mais uma simples unção, nem (por assim dizer) ações ordinárias, depois de invocação, mas é dom da graça de Cristo, e, com o advento do Espírito Santo, faz-se apto a transmitir a Sua natureza divina. Que a unção é aplicada simbolicamente na sua testa e seus outros sentidos, e enquanto o seu corpo é ungido com o ungüento visível, sua alma é santificada pelo Santo e vivificante Espírito.” (Leituras catequéticas 21, 3)

“‘Você ungiu minha cabeça com óleo’(Salmo 22:05). Com óleo ungiu a cabeça em cima de sua testa, pelo selo que você tem de Deus; que pode ser feito pela gravação do sinal, a Santidade a Deus.” (Leituras Catequéticas 22, 7)


São Gregório Magno



Papa e doutor da Igreja, é o quarto e último dos originais Doutores da Igreja latina. Defendeu a supremacia do Papa e trabalhou pela reforma do clero e da vida monástica. Nasceu em Roma por volta do ano 540 e faleceu em 604.

“Também chegou aos nossos ouvidos que alguns têm sido ofendidos pelos nossos presbíteros que têm proibido tocar com o crisma aqueles que estão para ser batizado. E nós, na verdade agimos de acordo com o antigo uso da nossa Igreja, mas, se houver são, na verdade aqui angustiado, nós permitimos que, quando há a falta de bispos, presbíteros podem tocar com o crisma, mesmo em suas testas, aqueles que serão batizado.” (Carta ao Bispo Januário, Livro 4, n º 26)





São Teófilo de Antioquia

Sexto bispo de Antioquia, segundo Eusébio de Cesaréia e São Jerônimo. Conservaram-se apenas 3 livros escritos aproximadamente pelo ano de 180 d.A. (A Autólico). Em seu primeiro livro, fala de como seremos julgados em conformidade com as nossas obras e de como os que perseveram nas boas obras obtêm a vida eterna:



“E sobre o seu riso sobre mim e me chamando de ‘cristão’, você não sabe o que está dizendo. Primeiro, porque o que é ungido é doce e útil, e longe de ser desprezível. Pois qual navio pode ser útil e em condições de navegar, a menos que ser primeiro calafetados [ungido]? Ou qual castelo ou casa é bonita e útil quando ainda não foi ungida? E o homem, quando ele entra nesta vida ou no ginásio, não é ungido com óleo? E qual trabalho tem um tanto enfeite quanto beleza a menos que seja ungido e polido? Então, o ar e tudo o que há debaixo do céu está de certa forma ungido pela luz e o espírito; e você está disposto a ser ungido com o óleo de Deus? Portanto, somos chamados cristãos spor este motivo, porque somos ungidos com o óleo de Deus.” (Teófilo de Antioquia, a Autólico, I, 12)



Papa Leão Magno (Papado 440 – 461 d.C)



O Papa Leão I ou Leão o Grande, reinou de 440 até 461 d.C, data da sua morte.  O Local e data de nascimento são desconhecidas. O pontificado dele junto ao de São Gregório I, é o mais significativo e importante na antiguidade cristã. Na altura em que a Igreja estava experimentando os maiores obstáculos para seu crescimento em consequência da desintegração acelerada do Império Ocidental, enquanto o Oriente estava profundamente agitado por causa controvérsias dogmáticas, este grande Papa, com sagacidade e uma mão poderosa, orientou o destino da Igreja Romana e Universal no caminho da ortodoxia.

“No batismo o sinal da cruz faz reis de todos os que renasceram em Cristo, e a unção do Espírito Santo, consagra-os sacerdotes. Assim, além das obrigações específicas de nosso ministério, qualquer cristão que tem os dons da compreensão racional e espiritual sabe que ele é um membro de uma raça real e as ações no ofício sacerdotal. Para o que poderia ser mais real do que uma alma que, submetendo-se a Deus torna-se governante de seu próprio corpo? Ou o que mais sacerdotal quando consagra uma consciência pura para com Deus e oferta no altar de seu coração o sacrifício imaculado de sua devoção?” (São Leão Magno, Sermão 4).



Papa Cornélio (Papado 251-253 d.C)



Papa São Cornélio foi papa de 6 ou 13 de março de 251 até a data do seu martírio 253 d.C. São Cornélio foi papa em um dos momentos mais problemáticos da Igreja, entre duas grandes perseguições e um cisma, e mostrou grande capacidade tanto de ser um líder teológico e espiritual, bem como um grande líder político e diplomático. São Cornélio dedicou sua vida ao cristianismo, e é considerado como modelo e inspiração para os futuros papas.

“Mas Satanás, que entrou e habitou nele por um longo tempo, tornou-se ocasião de sua crença. Sendo entregue pelos exorcistas, ele caiu em uma doença grave, e como ele parecia prestes a morrer, ele recebeu o batismo por aspersão, na cama onde ele estava deitado; se de fato, podemos dizer que tal pessoa o recebeu. E quando ele foi curado de sua doença ele não recebeu as outras coisas que são necessárias ter de acordo com o cânon da Igreja, até mesmo ser selado pelo bispo. E como ele não recebeu isso, como ele poderia receber o Espírito Santo?” (Papa Cornélio para Fábio; fragmento na História Eclesiástica de Eusébio 6, 43:14)





Afrátes o Sírio



Afraates é originário da região de Nínive-Mosul, hoje Iraque, viveu na primeira metade do século IV. Tem-se poucas informações sobre sua vida. Ele manteve relações estreitas com os ambientes ascético-monásticos da Igreja Síria, sobre a qual transmitiu algumas notícias em sua obra e à qual dedicou parte de sua reflexão.



“Mas um portão foi aberto para a busca de paz, em que o nevoeiro levantou por causa da multidão, e a luz raiou na mente, e da azeitona brilhante, os frutos são colocados para trás, na qual há um sinal de sacramento da vida, pelo qual os cristãos são tornados perfeitos, assim como sacerdotes e reis e profetas. Ele ilumina a escuridão, unge os enfermos, e leva de volta penitentes em seu sacramento secreto.” (Afráates, tratados, 23, 03)



Serapião de Thmnuis



Serapião nasceu no Egito, no norte da África e era um sacerdote profundo conhecedor das questões eclesiásticas. Tornou-se um dos maiores combatentes dos hereges no século IV que, aliás, foi o mais fértil deles. Fértil de hereges, mas também de combatentes. Serapião, era amigo e companheiro do bispo Atanásio, que lhe enviou cinco cartas, as quais fazem parte dos arquivos da Igreja, incentivando-o a continuar na luta contra a doutrina dos arianos.



“Você pode efetuar nesta crisma uma operação divina e celestial, para que os batizados e ungidos traçando com ele o sinal da cruz salvadora do Unigênito, através da cruz Satanás e todo o poder adverso é desviado e conquistado, como se renascido e renovado através do banho da regeneração, pudessem ser feitos participantes do dom do Espírito Santo, e confirmados por este selo, podem permanecer firmes, inabaláveis, ilesos e invioláveis.” (Serapião de Thmuis, Oração sobre Crisma, 25, 1)

Efraim

“‘E o chão deve ser preenchido com trigo, e os lagares devem transbordar igualmente com o vinho eo azeite’... Isso tem sido frutuoso misticamente por Cristo, que deu ao povo a quem Ele havia redimido, isto é, a Sua Igreja, trigo e vinho e azeite de uma forma mística... o óleo é o ungüento doce com o que aqueles que são batizados são assinados, estando vestidos em armamentos do Espírito Santo.” (Efraim, Sobre Joel 2, 24)



Concílio de Laodicéia



O concílio regional de Laodicéia ocorreu é Laodicéia na Frígia Pacatiana, também chamado de Laodicéia ad Lycum, deve ser cuidadosamente distinguido do Laodicéia da Síria. O local é certo, mas quanto à data exata do concílio há muita discussão. Pedro de Marca coloca-o no ano de 365, mas Pagi em sua Crítica em Anais Baronius parece ter derrubado os argumentos sobre a qual repousava Marca, e concorda com Gothofred colocando-o por volta de 363.

“Aqueles que são batizados devem depois do Batismo ser ungidos com o crisma celestial, para serem participantes do Reino de Cristo.” (Concílio de Laodicéia, Cânon 48)



Santo Ambrósio



Bispo de Milão entre os anos de 374 à 397, nasceu provavelmente em 340 d.C, em Trier, Arles, ou Lião, morreu em 4 de Abril de 397. Foi um dos mais ilustres Padres e Doutores da Igreja.

“E então, lembre-se que você recebeu o selo do Espírito, o espírito de sabedoria e de entendimento, espírito de conselho e de fortaleza, o espírito de conhecimento e de piedade, e o Espírito Santo de temor, e preserve no que você recebeu. Deus Pai te selou, Cristo o Senhor fortaleceu e deu o penhor do Espírito em seu coração, como você aprendeu na lição do Apóstolo.” (Ambrose, sobre os mistérios, 7, 42)



Paciano de Barcelona



Paciano foi um bispo de Barcelona durante o século IV d.C. Seu episcopado durou de 365 d.C até a sua morte, o sucedendo Praetextatus (Pretextat), que compareceu no concílio da igreja em Sárdica em 347 d.C e foi o primeiro bispo de Barcelona registrado.

“Ele igualmente permitiria isso aos Apóstolos somente? Foi esse o caso, ele igualmente permitiria somente  batizar, batizá-los somente, eles somente para conferir o Espírito Santo... Se, então, o poder tanto de batismo e da Confirmação maior, de longe, os carismas, é repassado para os bispos...”. (Paciano, Epístola aos Sympronianos)



Constituições apostólicas

Os Cânones Apostólicos (canones apostolici) são uma série de adições feitas pelo editor final de um livro antigo sírio de ordem da igreja chamado “As Constituições Apostólicas”. Todo o documento propõe ser dos apóstolos, mas esta pretensão não é levada a sério por qualquer estudioso hoje. No entanto, o trabalho é útil como evidência para as opiniões de uma parte das igrejas da Síria no final do século IV.

“Agora, a respeito do batismo, bispo ou presbítero, temos já determinada direção, e, agora, nós dizemos que tu deve assim batizar como o Senhor nos ordenou, dizendo: ‘Ide, ensinai todas as nações, batizando-os em nome do pai, e do Filho, e do Espírito Santo (ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado)’ do Pai que enviou, de Cristo, que veio, do Consolador que testemunhou. Mas tu deve de antemão ungir a pessoa com o óleo santo, e depois batizá-la com a água, e na conclusão deve selar ele com a unção, que a unção com óleo possa ser a participação do Espírito Santo, e a água o símbolo da morte de Cristo, e a unção o selo dos pactos. Mas, se não há nem óleo, nem unção, a água é suficiente tanto para a unção, e para o selo e para a confissão de que ele está morto, ou mesmo está morrendo juntamente com Cristo.” (Constituições Apostólicas 7, 2:22)



Papa Inocêncio



Inocêncio I foi bispo de Roma de 401 a 12 de março de 417. Um líder capaz e enérgico. Efetivamente promoveu o primado da Igreja Romana e cooperou com o Estado imperial para reprimir a heresia.

“Que este poder de um bispo, no entanto, deve-se aos bispos somente, para ou marquem ou deem o Espírito Paráclito... Pois aos presbíteros é permitido ungir os batizados com o crisma sempre que batizar... mas (com o crisma), que foi consagrada por um bispo, no entanto (é) não (permitido) marcar a testa com o mesmo óleo, que é devido aos bispos só quando eles conferem o Espírito Santo, o Paráclito.” (Papa Inocêncio, a Decêncio, 3)



São Cirílo de Alexandria



São Cirilo de Alexandria  foi o Patriarca de Alexandria quando a cidade estava no topo de sua influência e poder dentro do Império Romano. Um dos Padres gregos, Cirilo escreveu extensivamente e foi o protagonista liderante nas controvérsias cristológicas do final do século IV e do século V.

“A água viva do santo Baptismo é dada a nós como que na chuva e, o Pão da Vida, como se o trigo e o sangue como se vinho. Além disso também há o  uso de óleo, usado aperfeiçoar aqueles que foram justificadas em Cristo através de santo batismo.” (Cirilo de Alexandria, comentário sobre os Profetas Menores 32)





CONCLUSÃO

E assim vemos que a Igreja praticou o Sacramento da Confirmação, desde os dias dos Apóstolos. Chegamos à compreensão completa do que o que temos hoje já era totalmente perfeito e relatado na Igreja Primitiva.







BIBLIOGRAFIA

1 - http://www.theveritasproject.org/confirmation---early-church-fathers.html

2 - http://lonelypilgrim.com/2012/10/21/confirmation-in-scripture-and-church-fathers/

3 - http://www.cin.org/users/jgallegos/confirm.htm

4 - http://www.crossroadsinitiative.com/library_article/41/sacrament_of_confirmation__its_importance_and_meaning_to_the_early_church_fathers.html

5 - Confirmation. Detail from Seven Sacraments Altarpiece (1450), by Rogier van der Weyden.

Nenhum comentário:

Postar um comentário