instrução para celebrar a santa ceia conforme: Didaquê (80-140 d.C.); Ignácio (105 d.C.);Justino Mártir (160 d.C.);Irineu (180 d.C.) e Tertuliano (197 d.C.)

No concernente à eucaristia, dêem graças desta maneira. Ao tomar a copa, digam: “Te damos graças, oh Pai nosso, pela santa vinha de David, teu servo, que nos deu a conhecer por Jesus, teu servidor. A ti seja a glória pelos séculos dos séculos.”E depois de partir o pão, digam: “¡Pai nosso! Damos-te graças pela vida e pelo conhecimento que nos revelaste por teu servo, Jesus. ¡A ti seja a glória pelos séculos dos séculos! Da mesma maneira que este pão que partimos, estava espalhado pelas altas colinas, e foi juntado, suplicamos-te, que de todas as extremidades da terra, reúnas a tua igreja em teu reino, porque te pertence a glória e o poder (que exerces) por Jesus Cristo, nos séculos dos séculos.” Que ninguém coma nem beba desta eucaristia, sem ter sido antes batizado no nome do Senhor; já que o mesmo diz sobre o particular: “Não dêem o santo aos cachorros.” Quando estejam saciados, dêem graças desta maneira. Didaquê (80-140 d.C.)

Quando se reunirem no domingo do Senhor, partam o pão, e para que o sacrifício seja puro, dêem graças depois de ter confessado seus pecados. O que de entre vocês estiver inimizado com seu amigo, que se afaste da assembléia até que se tenha reconciliado com ele, a fim de não profanar seu sacrifício. Tenho aqui as próprias palavras do Senhor: “Em todo tempo e lugar me trarão uma vítima pura, porque sou o grande Rei, diz o Senhor, e entre os povos pagãos, meu nome é admirável.” Didaquê (80-140 d.C.)

Considerem como eucaristia válida a que tem lugar sob o bispo ou sob um a quem ele a tenha encomendado. Ignácio (105 d.C.)

Terminadas as orações (no culto), damo-nos o ósculo da paz. Depois, oferece-se pão e um copo de água e vinho a quem dirige, que os tomada, e dá louvor e glória ao Pai do universo, em nome de seu Filho e pelo Espírito Santo. Depois pronuncia uma longa ação de graças por ter-nos concedido os dons que dele nos vêm. E quando terminou as orações e a ação de graças, todo o povo presente aclama dizendo: Amém, que em hebreu quer dizer assim seja. Quando o primeiro deu graças e todo o povo aclamou, os que chamamos Diaconos dão a cada assistente parte do pão e do vinho com água sobre os que se pronunciou a ação de graças, e também o levam aos ausentes. Justino Mártir (160 d.C.)

A este alimento o chamamos eucaristia. A ninguém lhe é lícito participar se não crê que nossos ensinos são verdadeiros, foi lavado no banho da remessa dos pecados e a regeneração, e vive conforme ao que Cristo nos ensinou. Porque não os tomamos como pão ou bebida comuns. Justino Mártir (160 d.C.)

O dia que se chama do sol [o domingo], celebra-se uma reunião de todos… e se lêem as recordações dos Apostolos ou os escritos dos profetas… Depois nos levantamos todos a uma, e elevamos nossas orações. Ao terminá-las, oferece-se o pão e o vinho com água como já dissemos… e o que preside, segundo suas forças, também eleva suas orações e ações de graças, e todo o povo exclama: Amém. Então vem a distribuição e participação dos alimentos consagrados pela ação de graças e seu envio aos ausentes por meio dos Diaconos. Justino Mártir (160 d.C.)

Ao oferecer ao Rei nossa oferenda lhe rendemos honra e lhe mostramos afeto. Isto é o que o Senhor, querendo que o fizéssemos com toda simplicidade e inocência, ensinou a oferecer dizendo: “Se ao apresentar tua oferenda ante o altar te lembras de que teu irmão tem algo contra ti, deixa tua oferenda ante o altar, primeiro vê a reconciliar te com teu irmão, e volta depois a apresentar tua oferenda.” Irineu (180 d.C.)

Mas, como a igreja o oferece com simplicidade, ante Deus este sacrifício (a eucaristia) se lhe tem por charuto… Convém, pois, que ofereçamos a Deus o sacrifício e que em tudo sejamos gratos a Deus, com pensamentos puros, com fé sem hipocrisia, com esperança firme, ferventes no amor, oferecendo as primeiros frutos s de suas criaturas. E só a igreja oferece esta oferenda pura a Deus, quando a apresenta em ação de graças pelos dons que provem da criação. Irineu (180 d.C.)

O sacramento da eucaristia, instituído pelo Senhor no momento da comida e para todos, tomamo-lo nós também nas reuniões antes do amanhecer e não o recebemos de mãos de outros fora dos que presidem… Sofremos com escrúpulo que se caia ao solo um pouco de nosso cálice ou de nosso pão. Tertuliano (197 d.C.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário