Latim Basico


O Latim, língua indo-européia, pertence ao grupo itálico – osco, umbro, latim.  Falado primeiramente pela população de Roma e do Lácio, prevaleceu sobre os outros idiomas da Itália (osco,umbro, grego, etrusto), difundiu-se graças às conquistas e ao desenvolvimento do Império Romano, e tornou-se uma das duas principais línguas do mundo antigo. Começou a adquirir forma literária apenas pelo início do século III a.c.

Costuma-se dividir a história do latim em períodos:
1. Período arcaico (entre o século III e o início do século I a.C.), com Catão e, sobretudo, com os dois
grandes escritores cômicos, Plauto e Terêncio.
2. Período clássico (entre o início do século I a.C. e o início do Império), com Cícero, César, Salústio,
Horácio, Vergílio e outros.

3. Período pós-clássico ( a partir de nossa era) com Tito Lívio, Sêneca, Quinto Cúrcio, Plínio, o Velho,
Quintiliano, Plínio, o Moço, Suetônio e outros.
4. Período cristão (a partir do século III de nossa era, aproximadamente), com Tertuliano, Santo
Agostinho, São Jerônimo e outros.

Cumpre ressalvar que ao lado da língua escrita ou literária existia uma língua falada, que nos é
conhecida sobretudo pelos textos não literários e pelas inscrições.  Essa língua se transformava mais
rapidamente que a outra.  Foi ela que deu origem às línguas românicas — português, espanhol, catalão,
provençal, francês, italiano, romeno.

Alfabeto
Na época clássica, o alfabeto latino compreende 21 letras, das quais apenas uma não é usual – o K
(k).  São elas: A (a), B (b), C (c), D (d), E (e), F (f), G (g), H (h), I (I), L (l), M (m), N (n), O (o), P (p), Q
(q) R (r), S (s), T (t), V (u), X (x).


Presente do Indicativo:

egŏ amō             monĕō
tū amās monēs
(ille) amăt monĕt
nōs amāmus monēmus
uōs amātis monētis
(illi) amănt monĕnt
Conjugação do verbo irregular esse e seu composto pŏsse  no presente do indicativo:
sum pŏssum
es pŏtes
est pŏtest
sumus pŏssŭmus
estis pŏtestis
sunt pŏssunt

B. Assim como o verbo latino tem várias terminações com que desempenha seu papel particular numa
dada frase, também o nome latino tem várias terminações, de acordo com  a função sintática que
desempenha na frase: sujeito, predicativo do sujeito, objeto direto, objeto indireto, adjunto adverbial,
e assim por diante.

As várias formas de um nome são chamadas de casos.   Em latim, seis são os casos:
Nominativo: caso do sujeito e do predicativo do sujeito;
Genitivo: caso do adjunto adnominal e do complemento nominal;
Dativo: caso do objeto indireto;
Acusativo: caso do objeto direto e do predicativo do objeto direto;
Ablativo: caso dos adjuntos adverbiais;
Vocativo:  caso da interpelação.



Leitura
5
  Viuāmus, mĕa Lesbia, atque amēmus,          Vivamos, minha Lésbia, e amemos,
  rumōrēsque senum seueriōrum                      e as graves vozes velhas
  omnēs unīus aestimēmus assis.                                   — todas —
  Sōlēs occidĕre et redīre pŏssunt:                valham para nós menos que um vintém.
 5 nōbis cum semel occĭdit brĕuis lūx,               Os sóis podem morrer e renascer:
  nox est perpetŭa una dormienda.                  quando se apaga nosso fogo breve
  Da mi basia mille, deinde centum,                 dormimos uma noite infinita.
  dein mille altĕra, dein secunda centum,           Dá-me pois mil beijos, e mais cem,
  deinde usque altĕra mille, deinde centum.         e mil, e cem, e mil, e mil e cem.
 10 Dein, cum milia multa fecerĭmus,                Quando somarmos muitas vezes mil
  conturbābĭmus illa, ne sciāmus,                      misturaremos tudo até perder a conta:
  aut ne quis malus inuĭdēre possit,                  que a inveja não ponha o olho de agouro
  cum tantum sciat esse basiōrum.                      no assombro de uma tal soma de beijos.

  (Catulo)                                                  (Trad. de Haroldo de Campos)

Miguel Barbosa do Rosário
http://www.latim-basico.pro.br/latim-basico.pdf



Nenhum comentário:

Postar um comentário