UNÇÃO DOS ENFERMOS

A UNÇÃO DOS ENFERMOS NA BÍBLIA



A unção dos Enfermos é claramente mostrada na bíblia. É prefigurada no Evangelho de Marcos quando ele mostra que os apóstolos expulsavam demônios e curavam enfermos ungindo os com óleo:

“Partindo, eles pregavam que todos se arrependessem. E expulsavam muitos demônios e curavam muitos enfermos, ungindo-os com óleo” (Mc 6,12-13).

Já na epístola de Tiago o sacramento é mostrado, recomendado e ensinado como deve ser feito:

“Alguém dentre vós está doente? Mande chamar os presbíteros da Igreja para que orem sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor. A oração da fé salvará o doente e o Senhor o aliviará; e, se tiver cometido pecados, estes lhe serão perdoados” (Tg 5,14-15).







A UNÇÃO DOS ENFERMOS NA IGREJA PRIMITIVA



Como prática comum da Igreja primitiva a Unção dos enfermos é relatada nos escritos de diversos padres primitivos, dos quais alguns leremos agora.





Hipólito de Roma



O lugar e a data do seu nascimento são desconhecidos, embora saiba-se que foi discípulo de Santo Ireneu de Lião. Seu grande conhecimento da filosofia e dos mistérios gregos, e sua própria psicologia, indicam que procedia do Oriente. Até o ano 212 era presbítero em Roma, onde Orígenes - durante sua viagem à capital do Império - o ouviu pronunciar um sermão.



“O Deus que santifica este óleo, como Tu garantes a todos os que são ungidos e recebem dele a consagração com que Tu fizeste ungir reis e sacerdotes e profetas, assim fazei para pode dar força a tudo o que provam dele e saúde para todos os que usá-lo”. (Hipólito de Roma, Tradição Apostólica, 5, 2).





Tertuliano

Estritamente falando, Tertuliano não é considerado um pai da Igreja, mas um apologista e escritor eclesiástico, já que no final de sua vida cai em heresia abraçando o montanismo. Porém foi lido antes de seu abandono da Igreja Católica. Tanto em seu período ortodoxo quanto em seu período herético temos em Tertuliano um testemunho que nos informa sobre a prática primitiva da Crisma na Igreja.

“Por que eles são corajosos o suficiente para ensinar, para disputar, para decretar exorcismos, para realizar curas - podem até mesmo batizar.” (Tertuliano, Prescrição, 49)



Orígenes de Alexandria



Ilustre teólogo e escritor eclesiástico. Nascido em Alexandria por volta do ano 231, foi reconhecido como o maior mestre da doutrina cristã em sua época, exercendo uma extraordinária influência como intérprete da Bíblia.

“Além destes, há também um sétimo, embora difícil e trabalhoso... Desta forma, isso é também cumprido, o que o apóstolo Tiago diz: ‘Se, pois, há alguém doente, Chame os presbíteros da Igreja , e deixá-los impor as mãos sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor;. E a oração da fé salvará o doente, e se ele está em pecados, serão perdoados’” (Homilia sobre o Levítico 2, 4)



Afraátes o Persa



Afraates é originário da região de Nínive-Mosul, hoje Iraque, viveu na primeira metade do século IV. Tem-se poucas informações sobre sua vida. Ele manteve relações estreitas com os ambientes ascético-monásticos da Igreja Síria, sobre a qual transmitiu algumas notícias em sua obra e à qual dedicou parte de sua reflexão.

“Do sacramento da vida, pelo qual os cristãos [o batismo], [sacerdotes na ordenação], reis e profetas são aperfeiçoados; ilumina a escuridão [na confirmação], unge os enfermos, e pelo seu sacramento secreto restaura os penitentes.” (Afraates o sábio persa, tratados 23, 3)



São João Crisóstomo

Doutor da Igreja, nascido em Antioquia, em 347 d.C, morreu em Commana em Pontus em 14 de Setembro de 407. É considerado o mais proeminente Doutor da Igreja Grega e tido como o maior pregador que já subiu em um púlpito cristão.

“Pois não só no momento da regeneração, mas depois também, eles têm autoridade para perdoar pecados. ‘É alguém entre vós doente?’ é dito, ‘Chame os presbíteros da Igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor E a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará.: e, se houver cometido pecados, serão perdoados.’” (Sobre o sacerdócio, 3, 6)



Atanásio de Alexandria



Atanásio de Alexandria (296 -373 d.C) foi bispo de Alexandria e o mais proeminente teólogo do século IV.

“[Os doentes] consideram uma mais terrível calamidade do que a própria doença ... [em vez de permitir] as mãos dos arianos ser colocadas sobre as suas cabeça.” (Atanásio, Epístola Encíclica)



Serapião de Thmuis



Serapião nasceu no Egito, no norte da África e era um sacerdote profundo conhecedor das questões eclesiásticas. Tornou-se um dos maiores combatentes dos hereges no século IV que, aliás, foi o mais fértil deles. Fértil de hereges, mas também de combatentes. Serapião, era amigo e companheiro do bispo Atanásio, que lhe enviou cinco cartas, as quais fazem parte dos arquivos da Igreja, incentivando-o a continuar na luta contra a doutrina dos arianos.

“[este óleo]... para a boa graça e a remissão dos pecados, para um medicamento de vida e salvação, para a saúde e solidez da alma, corpo, espírito, para o fortalecimento perfeito.” (Serapião de Thmuis, anáfora, 29, 1)



Efraim

“Eles oram sobre ti; alguém sopra sobre ti, outro selas tu” (Efraim, Homilia 46)



Santo Ambrósio



Bispo de Milão entre os anos de 374 à 397, nasceu provavelmente em 340 d.C, em Trier, Arles, ou Lião, morreu em 4 de Abril de 397. Foi um dos mais ilustres Padres e Doutores da Igreja.

“Por que, então, você impõe as mãos, e acredita que ela tem o efeito de bênção, se por acaso alguma pessoa doente se recupera? Por que você supõe que qualquer um pode ser purificado por você da poluição do diabo? Por que você batiza se pecados não podem ser remidos pelo homem? Se o batismo é, certamente, a remissão de todos os pecados, que diferença faz se os padres afirmam que esse poder é dado a eles em penitência ou na fonte? Em cada mistério é um.” (Ambrose, Penitência, 1,8:36)





Cirilo de Alexandria

“Se alguma parte do seu corpo está sofrendo... recorde também o que diz na Escritura divinamente inspirada: ‘Está alguém enfermo? Chame os sacerdotes da Igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor. A oração da fé salvará o enfermo e o Senhor o restabelecerá. Se ele cometeu pecados, ser-lhe-ão perdoados.’”.(Tiago 5:14-15)” (Cirilo de Alexandria , louvor e adoração, 6)

Papa Inocêncio

Inocêncio I foi bispo de Roma de 401 a 12 de março de 417. Um líder capaz e enérgico. Efetivamente promoveu o primado da Igreja Romana e cooperou com o Estado imperial para reprimir a heresia.

“Na epístola do abençoado Apóstolo Tiago...’Se alguém dentre vós está doente, Chame os sacerdotes ... ". Não há dúvida de que isso deveria unção deveria ser interpretada ou entendida do fiél doente, que pode ser ungido com o óleo sagrado da crisma... é uma espécie de sacramento.” (Papa Inocêncio, para Decêncio, 25,8,11)



César de Arles

“Que quem está doente receba o Corpo e o Sangue de Cristo; que ele humildemente e com fé pedir aos presbíteros o aabençoado óleo, para ungir seu corpo, de modo que o que foi escrito possa ser frutuoso nele:“Está alguém enfermo? Chame os sacerdotes da Igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor. A oração da fé salvará o enfermo e o Senhor o restabelecerá. Se ele cometeu pecados, ser-lhe-ão perdoados.’(Tiago 5, 14-15)” (Sermões, 13 (265), 3).



Cassdório de Cevilha

“[Um] sacerdote deve ser chamado, e pela oração da fé dele e a unção do óleo santo que ele fará, vai salvar quem está aflito [por uma grave lesão ou doença].” (Cassiodoro, Complexiones (570 dC))



CONCLUSÃO



Vemos aqui mais um sacramento que é fortemente baseado nas Escrituras e abertamente praticado na Igreja Primitiva, como pudemos ver em diversos testemunhos dos pais da Igreja.

Quem deseja ler, o que os pais da Igreja dizem sobre os outros sacramentos podem ler aqui sobre a Crisma, aqui sobre a confissão, aqui sobre a Eucaristia e aqui sobre o batismo infantil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário